| |

MERCY

Em 1993, quando eu tinha 3 anos de idade, o meu pai foi morto pelo Exército Nacional no sul da Colômbia, foi acusado de ser guerrilheiro e abatido sem julgamento, depois foi colocado numa vala comum na companhia do meu tio que também foi morto. A minha mãe foi assassinada 8 meses depois também pelos militares do governo colombiano e colocada numa vala comum, o seu corpo não foi entregue e ninguém podia ir reclamá-lo com medo de morrer. Os meus pais tinham ideias socialistas e mataram-nos por isso. Já não havia aniversários e os álbuns de família estavam cheios de fotografias dos mortos e foi aí que a tristeza começou em toda a gente, desde criança que tive muitos mais pesadelos e nunca falei deles, até que há 6 anos comecei a perguntar aos meus familiares sobre os seus pesadelos (mortos, inundações, assassinatos, violência) e os sentimentos que a guerra deixou. Eu conhecia a guerra, os “bombardeiros”, os paramilitares e os guerrilheiros porque na minha cidade nunca houve paz. Depois de anos, peguei no arquivo familiar, nos sonhos e nos sentimentos de uma família colombiana no meio do conflito e comecei este projeto fotográfico. Este projeto fotográfico é sobre a minha família e a forma como a violência na Colômbia nos afectou, é sobre mim e o que a guerra nos deixou depois de perdermos cerca de 20 membros da família.

Não conheci a paz, houve sempre guerra na minha infância e o processo de paz assinado entre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia “FARC” e o Governo Nacional permitiu que se sentisse tranquilidade no território onde vivo durante alguns anos. Hoje o panorama mudou e parece que a paz é apenas uma utopia para aqueles de nós que vivem a guerra.
No ano de 2022, em conjunto com a Unidade de Busca de Pessoas Desaparecidas, foi criado um local numa pequena cidade onde possivelmente se encontra o corpo desaparecido da minha mãe. Documentei a exumação, removendo os restos do esqueleto com os antropólogos e fazendo o luto através de fotografias, e é por isso que este projeto é também sobre a procura do corpo da minha mãe e o luto.


“MERCY” é o nome da minha mãe, é agradecimento e misericórdia e este projeto é o que eu quero contar sobre o que pode ser um exemplo da procura dos desaparecidos e da eterna violência que nós, os habitantes da América Latina rural, enfrentamos.